Assistência de enfermagem no pré-natal tardio: Consequências para o Binômio Materno-Infantil.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55892/jrg.v7i14.1087

Palavras-chave:

Cuidado Pré-natal, Enfermagem, Diagnóstico tardio, Gravidez, Gravidez de alto risco

Resumo

As consultas de pré-natal são de extrema importância para o bom desenvolvimento da gestação, visto que é nesse momento que se acompanha o crescimento do feto. Por esse motivo é imprescindível que seu início se dê no primeiro trimestre. O pré-natal é um importante indicador de saúde pública e isso envolve diretamente a assistência que está sendo prestada pelos profissionais. Objetivo: Denotar as consequências negativas trazidas pelo início tardio do pré-natal e as causas mais recorrentes na literatura, analisando como o enfermeiro auxilia nesse período. Metodologia: Trata-se de um estudo de revisão sistemática da literatura por meio de pesquisa na Biblioteca virtual de saúde, e nas bases de dados: Scielo, Google acadêmico, Pubmed e outros, realizada em fevereiro de 2024. A coleta de dados foi efetuada pela busca de artigos científicos completos ou revisados, publicados em língua portuguesa nos últimos 10 anos. Resultados: Foram encontrados 13 artigos pertinentes ao tema, divididos em dois subtemas distintos: um com o foco nas consequências do pré natal tardio e o outro com foco nas causas relacionadas. Conclusão: Com base nos dados analisados, solidificou-se que o pré natal feito de forma inadequada, principalmente iniciado tardiamente trás consequências negativas não somente para o feto, bem como para a mulher que está gestando e que as causas para o início do pré-natal tardio são causas evitáveis, principalmente, com educação em saúde e capitação precoce da população. Contudo, pode-se concluir que diversos fatores são preponderantes para o desfecho negativo do pré-natal, porém, a falta de acesso ao serviço, baixa escolaridade e fatores socioeconômicos, são, em sua maioria, determinantes e condicionantes da saúde dessa população e que a assistência prestada, pode, de alguma maneira, mudar essa realidade.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Godoi de Passos, Universidade Católica de Brasília

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Católica de Goiás (2004) e mestrado em Gerontologia pela Universidade Católica de Brasília (2019). Atualmente é Docente do Centro Universitário - UNIDESC, Docente da Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires e orientadora de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso). 

Lucivane Gomes de Medeiros Araujo, Faculdade Sena Aires-FACESA, GO,Brasil

Graduanda em Enfermagem pela Faculdade Sena Aires.

Natalia Cristina Silva Barbosa, Faculdade Sena Aires-FACESA, GO, Brasil

Graduanda em Enfermagem pela Faculdade Sena Aires.

Neila Patrícia Lima Hipólito, Faculdade Sena Aires-FACESA

Graduanda em Enfermagem pela Faculdade Sena Aires.

Referências

Andrade EWOF, Costa ABCG, Nascimento AC, Ribeiro EGFC, Santos ESO, Rodrigues FGB, Silva KRR, Silva KM, Cruz MGSS, Sousa MJN. Consequências do início tardio do pré-natal, Digital Editora, 2022; Disponível em: DOI: 10.48140/digitaleditora.2022.010.6

Barros BS, Nepomuceno BS, Santana LB, Sá MCLO, Vieira MEVA, Bendel MF, Souza PPP, Cunha RX, Guimarães RA, Parreia MRBQC. A importância do pré-natal na prevenção de complicações materno-fetais do diabetes mellitus gestacional, Revista Eletrônica Acervo Científico, vol. 27, 2021; Disponível em: DOI: https://doi.org/10.25248/REAC.e7588.2021

Brasil. Ministério da saúde. Nota Técnica Explicativa do Relatório de Pesquisa de Vínculo. SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE PARA A ATENÇÃO BÁSICA – SISAB. Brasília, 2022; Disponível em: https://sisab.saude.gov.br/resource/file/nota_tecnica_relatorio_cadastro_220509.pdf

Brizolla J, Fantin N. Revisão da literatura e revisão sistemática da literatura, RELVA, Juara/MT/Brasil, v. 3, n. 2, p. 23-39, jul./dez. 2016; Disponível em: https://doi.org/10.30681/relva.v3i2.1738

Caderno de atenção básica n. 32 Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2012; Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf

Carvalho TPB. Causas do acompanhamento pré-natal tardio e seus impactos na gestação, Centro universitário Vale do Salgado, ICÓ, Ceará, 2022;

Costa CSC, Vila VSC, Rodrigues FM, Martins CA, Pinho LMO. Características do atendimento pré-natal na Rede Básica de Saúde. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2013 abr/jun;15(2):516-22. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v15i2.15635. doi: 10.5216/rev15i2.15635;

Gaíva MAM, Bittencourt RM, Fujimori E. Óbito neonatal precoce e tardio: perfil das mães e dos recém-nascidos. Rev Gaúcha Enferm. 2013;34(4):91-97;

Ministério da saúde. EBESERH. Protocolo Clínico de diabetes mellitus gestacional. Rio de Janeiro. 2020. Disponível em: https://www.gov.br/ebserh/pt-br/hospitais-universitarios/regiao-sudeste/hugg-unirio/acesso-a-informacao/documentos-institucionais/ProtocoloClnicoDiabeteMellitusnaGestao.pdf;

Oliveira AM, Fatores e consequências de se iniciar um pré-natal tardio. Centro Universitário Guairacá. Guarapuava. 2021; Disponível em: http://repositorioguairaca.com.br/jspui/bitstream/23102004/371/1/Aline%20Miranda%20Oliveira.pdf

Ramalho TS. Intervenção do enfermeiro frente ao pré-natal tardio na estratégia de saúde da família santo antônio do mucuri - malacacheta/mg. Universidade Federal de Minas Gerais. Teófilo Otoni. Minas Gerais. 2014; Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/BUOS-AELQP4/1/tcc__thais_silva_ramalho.pdf

Ribeiro KN, Conceição DS, Carneiro AMCT, Almeida JGAA, Alcântara ASS, Viana VSS. Caracterização do conhecimento das gestantes sobre as possíveis complicações relacionadas ao início do pré-natal tardio. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 8, p.59458- 59468 aug. 2020. Disponível em: DOI:10.34117/bjdv6n8-386;

Salis HA, Cavalcante TCC, Almeida RS, Braga MLO, Conceição WRN, Lima LMF. O impacto das políticas públicas na incidência de hiv gestacional no município de araguatins – tocantins. Anais da XII Semana de Enfermagem Instituto de Ensino Superior do Sul do Maranhão IESMA/Unisulma. 18-21; Disponível em: https://doi.org/10.25248/anais.e5004.2019

Santos CG, Guimarães A, Busetti IC, Santos MSF, Weizemann LP, Cheffer MH. Pré-natal tardio: motivos e intervenções de enfrentamento na Atenção Primária à Saúde. Scientific Electronic Archives Issue ID: Sci. Elec. Arch. Vol. 16 (6) June 2023. Disponível em: DOI: http://dx.doi.org/10.36560/16620231727;

Santos VO, Strada CFO. Assistência de enfermagem frente ao pré-natal tardio: uma revisão integrativa. RECIMA21 - REVISTA CIENTÍFICA MULTIDISCIPLINAR. v.3, n.11, 2022. Disponível em: https://doi.org/10.47820/recima21.v3i11.2200;

Silva MVE. Início tardio do pré-natal: Uma revisão integrativa da literatura. Universidade Federal de Minas Gerais. Teófilo Otoni. Minas Gerais. 2012;

Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Filha MMT, Costa JV, Bastos MH, Leal MC. Assistência pré-natal no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30 Sup:S85-S100, 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00126013.

Downloads

Publicado

2024-05-28

Como Citar

PASSOS, S. G. de; ARAUJO, L. G. de M.; BARBOSA, N. C. S.; HIPÓLITO, N. P. L. Assistência de enfermagem no pré-natal tardio: Consequências para o Binômio Materno-Infantil. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 7, n. 14, p. e141087, 2024. DOI: 10.55892/jrg.v7i14.1087. Disponível em: http://www.revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/1087. Acesso em: 22 jun. 2024.

ARK