Assistência de enfermagem nas perdas neonatais: revisão integrativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.8111788

Palavras-chave:

Equipe de enfermagem, Neonatos, Morte, Morte perinatal

Resumo

Objetivo: buscar na literatura a importância da sensibilização da equipe de enfermagem quando as perdas neonatais. Método: revisão integrativa da literatura em que foram realizadas buscas nos bancos de dados LILACS, SciELO, BDENF, considerando como critérios de inclusão estudos primários disponíveis na íntegra, publicados em português, e no período de 2018 e 2022. Os critérios de exclusão foram estudos do tipo revisão da literatura, duplicados, carta ao editor, editoriais, resumos publicados em anais de eventos, opiniões pessoais, dissertações, teses, capítulos de livros e manuais institucionais. Resultados: foram selecionados 05 artigos, sendo todas as publicações de origem brasileira.  Após leitura integral e análise dos estudos, foram construídas duas categorias temáticas, são elas: Vivencias da equipe de enfermagem no processo de morte e morrer de neonatos e Impactos de perdas neonatais para a equipe de enfermagem. Conclusão: a morte neonatal é um fenômeno complexo e assim como a morte depende dos aspectos culturais onde ela ocorre. Os profissionais de enfermagem que atuam na assistência ao neonato podem enfrentar inúmeros desafios. Nesse contexto, eles carecem de treinamento para realizar atendimento sensível às necessidades dos pacientes e de seus familiares, sem deixar de lado os seus aspectos psicológicos e emocionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Camila Vieira da Silva, Centro Universitário Mario Pontes Jucá, Alagoas, Brasil

[Lattes]

Graduanda em Enfermagem pelo Centro Universitário Mario Pontes Jucá, Alagoas, Brasil.

Estella Emmânuelle de Oliveira Guimarães, Centro Universitário Mario Pontes Jucá, Alagoas, Brasil

[Lattes]

Graduanda em Enfermagem pelo Centro Universitário Mario Pontes Jucá, Alagoas, Brasil.

Bruna Luizy dos Santos Guedes, Centro Universitário Mario Pontes Jucá, Alagoas, Brasil

[Lattes]

Enfermeira graduada pela Escola de Enfermagem e Farmácia (ESENFAR) da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) (2017). Mestre em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFAL (2020). Pós-graduação em Enfermagem em Pediatria e Neonatologia pela Faculdade Dom Alberto (2020). Enfermeira do Hospital da Mulher Dra Nise da Silveira, Maceió, Alagoas. Professora da disciplina de Saúde da Mulher e Neonatologia do Centro Universitário Mário Pontes Jucá. Participa do grupo de pesquisa Atenção Integral à Saúde da Criança e Adolescente (AISCA/CNPq/UFAL).

Referências

BERNARDINO, F. B. S. et al. Tendência da mortalidade neonatal no Brasil de 2007 a 2017. Ciência & Saúde Coletiva, v. 27, p. 567-578, 2022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/zkCVBtNrvFTDCkw9vTcb85d/abstract/?lang=pt. Acesso em: 8 maio 2023.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Vigilância em Saúde. Painel de Monitoramento da Mortalidade Infantil e Fetal. Disponível em: https://svs.aids.

gov.br/daent/centrais-de-conteudos/paineis-de-monitoramento/mortalidade/

infantil-e-fetal/. Acesso em: 9 maio 2023.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Manual de vigilância do óbito infantil e fetal e do Comitê de Prevenção do Óbito Infantil e Fetal. 2. ed: Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 96 p. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_obito_

infantil_fetal_2ed.pdf. Acesso em: 9 maio 2023.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 930, de 10 de maio de 2012. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0930_10_05_2012.html. Acesso em: 11 maio 2023.

DEVINCENZI, M. U.; SCHRAIBER, L. B. Óbitos neonatais em região de alta vulnerabilidade do Município de Santos, São Paulo, Brasil: examinando questões assistenciais na perspectiva das mulheres. Cadernos de Saúde Pública, v. 35, n. 9, 2019. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csp/2019.v35n9/e00081718/pt. Acesso em: 8 maio 2023

GARANITO, M. P.; CURY, M. R. G. A espiritualidade na prática pediátrica. Revista Bioética, v. 24, n. 1, p. 49–53, jan. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/

bioet/a/xvwDgF4sCC8kBXTZFhyhL9B/#. Acesso em: 15 maio 2023.

Ferri, S. M. N. et al. As tecnologias leves como geradoras de satisfação em usuários de uma unidade de saúde da família. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 11(23),515-529, 2007. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=

Acesso em: 15 maio 2023.

LIMA, S. S. et al. Avaliação do impacto de programas de assistência pré-natal, parto e ao recém-nascido nas mortes neonatais evitáveis em Pernambuco, Brasil: estudo de adequação. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/xjBngQW39sVHzVBL4q9Zj3P/abstract/?lang=pt.

Acesso em: 8 maio 2023.

LIMA, G. R; SILVA, J. S. L. G. Vivência dos profissionais de enfermagem perante a morte neonatal. Revista Pró-UniverSUS, v. 10, n. 1, p. 38-41, 2019. Disponível em: http://editora.Universidadedevassouras.edu.br/index.php/RPU/article/view/1607. Acesso em: 8 maio 2023.

MARTINS, M. C. et al. Percepções de mães nutrizes ao vivenciarem a prematuridade na unidade de terapia intensiva neonatal. Cogitare enferm., Curitiba, v. 27, e80125, 2022. Disponível em: http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?script=sci_

arttext&pid=S1414-85362022000100332&lng=pt&nrm=iso. Acessos em: 10 maio 2023.

MENDES, K. S.; SILVEIRA, R. C.; GALVÃO, C. M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, Florianopolis, v. 17, n. 4, p. 758-764, set./2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tce/a/XzFkq6tjWs4wHNqNjKJLkXQ/. Acesso em: 8 maio 2023.

MEDEIROS, J. A. et al. Morte e morrer de neonatos e crianças: relações entre enfermagem e família segundo Travelbee. Revista Brasileira De Enfermagem, 75(2), e20210007, 2022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reben/a/zwmF53r

CzsR3cP6H9r7BvXh/?lang=en. Acesso em: 10 maio 2023.

RINCON, C. R.; SILVA, A. F. Família e a equipe de enfermagem frente a morte neonatal. SEMESP, 2018. Disponível em: https://conic-semesp.org.br/anais/

files/2018/trabalho-1000001374.pdf. Acesso em: 10 maio 2023.

ROCHA, D. D. et al. Sentimentos vivenciados pelos profissionais de Enfermagem diante de morte em unidade de terapia intensiva neonatal. Mental, Barbacena, v. 11, n. 21, p. 546-560, dez. 2017. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/

scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-44272017000200015&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 10 maio 2023.

SILVEIRA, C. M. et al. Coping da equipe de enfermagem no processo morte-morrer em unidade neonatal. Acta Paul Enferm, 35:eAPE02261, 2022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ape/a/T6FDrXFy8pZ8K6xnNGsCVgP/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 10 maio 2023.

SILVA, A. C. F. A. et al. Índice de morte neonatal precoce: uma análise do perfil materno. Revista Eletrônica Acervo Saúde, n. 26, p. e690-e690, 2019. Disponível em: https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/690. Acesso em: 8 maio 2023.

SUBUTZKI, L. S. et al. Construção e validação de construto sobre o processo de morte e morrer de neonatos. Revista Colombiana De Enfermería, 17, 21–30, 2018. Disponível em: https://revistacolombianadeenfermeria.unbosque.edu.co/index.php/

RCE/article/view/2421/1871. Acessos em: 10 maio 2023.

SUBUTZKI, L. S.; LOMBA, M. L; BACKES, D. S. Morte de neonatos: percepção da equipe multiprofissional à luz da complexidade. Av.enferm., Bogotá , v. 36, n. 1, p. 69-78, Apr. 2018. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_

arttext&pid=S0121-45002018000100069&lng=en&nrm=iso. Acessos em: 10 maio 2023.

Downloads

Publicado

2024-01-02

Como Citar

SILVA, M. C. V. da; GUIMARÃES, E. E. de O.; GUEDES, B. L. dos S. Assistência de enfermagem nas perdas neonatais: revisão integrativa. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 7, n. 14, p. e14668, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.8111788. Disponível em: http://www.revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/668. Acesso em: 25 jul. 2024.

ARK