Acolhimento à demanda espontânea na atenção primária: percepção dos enfermeiros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.8190047

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde;, Estratégia Saúde da Família;, Acolhimento;, Papel do profissional de Enfermagem;, Educação em Saúde.

Resumo

Introdução: O acolhimento é uma prática presente nas relações de cuidado, entre trabalhadores de saúde e usuários, nos atos de receber e escutar as pessoas, sendo um mecanismo de ampliação e facilitação do acesso. Objetivos: Compreender, na percepção dos enfermeiros que atuam na Atenção Primária à Saúde, como ocorre o processo de acolhimento nas Unidades Básicas de Saúde da Região Norte do Distrito Federal. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo, exploratório de cunho qualitativo, realizado com 33 enfermeiros. A coleta de dados ocorreu no período de 10 de outubro a 30 de novembro de 2022. Os dados foram analisados por meio da análise de conteúdo de Bardin: pré-análise, exploração do material e tratamento dos resultados, inferência e interpretação. Resultados: Foi possível encontrar dois núcleos de sentido que foram divididos em duas categorias: 1- processo de trabalho do enfermeiro no atendimento à demanda espontânea; e 2-necessidades de aprendizagem na percepção do enfermeiro. Conclusões: Verificou-se a necessidade de ampla divulgação dos documentos norteadores com as atividades a serem desenvolvidas pelo enfermeiro do acolhimento, com clareza dos fluxos e dos papéis de cada profissional, além de ampla capacitação de todos os profissionais, a fim de que sejam estabelecidas a organização e a condução do processo de acolhimento com base nas necessidades do território e na organização interna da equipe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisabete Mesquita Peres de Carvalho, Secretaria de Estado de Saúde, Distrito Federal, Brasil

Enfermeira da Secretaria de saúde do Distrito Federal- SES/DF. Doutora em Ciências da Saúde - Universidade de Brasília(UnB). Mestre em Ciências da Saúde pela Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde-FEPECS. Graduada em Enfermagem e Obstetrícia. MBA em Gestão em Saúde e Controle de Infecção Hospitalar; Especialização em Saúde Pública; Especialista em Enfermagem Obstétrica -UnB(2000).  Membro da Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras- ABENFO/DF - Coordenadora da Comissão Permanente de Serviços, Educação e Legislação (ABENFO/DF). Membro da Câmara Técnica de Segurança do Paciente da Secretaria de Estado de Saúde do DF.

 

 

David Ximenes Pires, Secretaria de Estado de Saúde, Distrito Federal, Brasil

[Lattes]

Enfermeiro de família e comunidade da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal. Atua na UBS 6 Planaltina-DF. Na segunda matrícula, atua na Emergência Pediátrica do Hospital Materno-Infantil de Brasília.

Thaísa Massa Oliveira, Secretaria de Estado de Saúde, Distrito Federal, Brasil

[Lattes]

Enfermeira da Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Atua na gestão como gerente da gerência de acesso e qualidade da atenção primária à saúde da Região Norte do Distrito Federal. 

Kellen Aparecida Spadoti, Secretaria de Estado de Saúde, Distrito Federal, Brasil

[Lattes]

Enfermeira da Secretaria de Saúde do Distrito Federal.  Pós Graduação em Auditoria Planejamento de Gestão pela Universidade Estácio de Sá; atualmente atua na UBS 6 Sobradinho.

Joyce Sousa Leite, Secretaria de Estado de Saúde, Distrito Federal, Brasil

[Lattes]

Enfermeira de família e comunidade - Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal. Cursando especialização em Saúde da Família. Atua na área técnica da GENF/DIRAPS.

Renata Mercêz da Silva, Secretaria de Estado de Saúde, Distrito Federal, Brasil

[Lattes]

Enfermeira da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal. Atua na UBS 3 de Sobradinho-DF.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Edições 70, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Acolhimento à demanda espontânea. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº. 2.436 de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Ministério da Saúde, 2017. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/ prt2436_22_09_2017.html

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.979, de 12 de novembro de 2019. Institui o Programa Previne Brasil, que estabelece novo modelo de financiamento de custeio da Atenção Primária à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde, por meio da alteração da Portaria de Consolidação nº 6/GM/MS, de 28 de setembro de 2017. Ministério da Saúde, 2019.

CAMARGO, D. S.; CASTANHEIRA, E. R. L. Ampliando o acesso: o Acolhimento por Equipe como estratégia de gestão da demanda na Atenção Primária à Saúde (APS). Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v.24, p.e190600, 2020. https://www.scielo.br/j/icse/a/WYcC7Q6SfbxJtZ3tpXXJjNy/abstract/?lang=pt

CAMELO, M. S.; LIMA, L. R. D.; VOLPE, C. R. G., SANTOS, W. S., & REHEM, T. C. M. S. B. Acolhimento na atenção primária à saúde na ótica de enfermeiros. Acta Paulista de Enfermagem, v.29, p.463–468, 2016. https://doi.org/ 10.1590/1982-0194201600063.

COUTINHO, L. R. P.; BARBIERI, A. R.; SANTOS, M. L. D. M. D. Acolhimento na Atenção Primária à Saúde: revisão integrativa. Saúde em debate, v.39, p.514–524, 2015.https://www.scielo.br/j/sdeb/a/p6vvLB8N6CbmLZFF4SXdxXS/ abstract/?lang=pt

COSTA, A. B.; GOUVEA, P. B.; RANGEL, R. D. C. T.; SCNHEIDER, P.; ALVES, T. F.; ACOSTA, A. S. Percepção dos enfermeiros sobre o acolhimento e classificação de risco na Atenção Primária à Saúde (APS). Enfermería Actual de Costa Rica, v.35, p.103–115, 2018. http://dx.doi.org/10.15517/revenf.v0i35.32113

DISTRITO FEDERAL. Portaria nº 78, de 14 de fevereiro de 2017. Regulamenta o art. 51 da Portaria nº 77, de 2017, para disciplinar o processo de conversão da Atenção Primária à Saúde do Distrito Federal ao modelo da Estratégia Saúde da Família. Diário Oficial do Distrito Federal.

FEITOSA, M. V. N.; DAS CANDEIAS, R.; FEITOSA, A. K. N.; DE MELO, W. S.; ARAÚJO, F. M.; DO CARMO, J. F. et al. Práticas e saberes do acolhimento na atenção primária à saúde: uma revisão integrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v.13, n.3, p.e5308-e5308, 2021. https://doi.org/ 10.25248/reas.e5308.2021

FERREIRA, S. R. S.; PÉRICO, L. A. D.; DIAS, V. R. F. G. A complexidade do trabalho do enfermeiro na Atenção Primária à Saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, v.71, p.704–709, 2018. https://www.scielo.br/j/reben/a/qTVY5r3J LdL8xcTHNf9ZhxF/?lang=en

FLICK, U. Qualidade na pesquisa qualitativa. Artmed, 2009.

FROTA BARROS, M. M. A.; COLARES MENDES, M. DE L.; ARCANJO FROTA, L. M.; DE SOUSA ALMEIDA, J. R. Acolhimento em unidade de atenção primária à saúde: potencialidades e desafios. SANARE – Revista de Políticas Públicas, v.17, n.2, 2018. https://doi.org/10.36925/sanare.v17i2.1269

GDF. Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal. Subsecretaria de Atenção Integral à Saúde. Coordenação de Atenção Primária à Saúde. Nota Técnica N.º 11/2022 - SES/SAIS/COAPS. Qualificação do cuidado e do acesso nas unidades básicas de saúde (UBS) do Distrito Federal, 2022.

GIRÃO, A. L. A.; FREITAS, C. H. A. D. Usuários hipertensos na atenção primária à saúde: acesso, vínculo e acolhimento à demanda espontânea. Revista Gaúcha de Enfermagem, v.37, 2016. https://www.scielo.br/j/rgenf/a/ kK8Lp4nhWv74FgsYYrZyMtF/?lang=pt

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (14ª ed.). Hucitec, 2014.

MORELATO, C. S.; DORNELES, L. L.; MARTINS, V. D. P.; GOÉS, F. D. S. N. D.; VIANA, A. L.; BRUNELLO, M. E. F.; CAMARGO, R. A. A. D. Acolhimento da demanda espontânea na Atenção Primária: necessidades de aprendizagem de enfermeiros. Revista Brasileira de Enfermagem, v.74, 2021. https://www.scielo.br/j/reben/a/rsHFg736xfJhrMGwRsdv Cjq/?lang=pt

NETO, L. L. S.; MELO, Í. M. L.; MEIRELES, M. M. S.; DE LIMA, G. G. Demanda espontânea na atenção primária: avaliação de médicos. Cadernos ESP, v.16, n.2, p.34–39, 2022. https://cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article /view/789

RIBEIRO, A. P. M.; FRISANCO, F. M.; BARBIERI, M. R. B.; DE LIMA, V. B.; JACOB, L. M. DA S.; MACIEL JÚNIOR, M. The importance of the implementation of primary health care in primary care: integrative review. Research, Society and Development, v.11, n11, e148111133325, 2022. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i11.33325

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. Atlas, 2009.

VILLANI, R. G.; DE LIMA, E. H.; SILVA, M. S. Acolhimento da atenção primária à saúde: uma revisão dos benefícios e desafios. Veredas Favip – Revista Eletrônica de Ciências, v.10, n.1, p.42–58, 2017. http://blog.devrybrasil.edu.br/ojs/ index.php/veredas1/article/view/648

Downloads

Publicado

2024-01-02

Como Citar

CARVALHO, E. M. P. de; PIRES, D. X.; OLIVEIRA, T. M.; SPADOTI, K. A.; LEITE, J. S.; SILVA, R. M. da. Acolhimento à demanda espontânea na atenção primária: percepção dos enfermeiros . Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 7, n. 14, p. e14690, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.8190047. Disponível em: http://www.revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/690. Acesso em: 22 jun. 2024.

ARK