Os cuidados da enfermagem ao recém-nascido até 28 dias no ambiente hospitalar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55892/jrg.v6i13.822

Palavras-chave:

Recém-Nascido, Até 28 dias, Ambiente hospitalar, Enfermagem

Resumo

Objetivo: Descrever perante a literatura a assistência de enfermagem perante ao bebê prematuro até 28 dias de vida. Metodologia: O presente estudo trata de uma revisão integrativa da literatura, por meio da análise dos estudos científicos reunindo-os numa análise estatística. Os artigos que aparentemente cumpriam com os critérios de inclusão, neste caso, 148 artigos foram obtidos e analisados na íntegra. Após a leitura criteriosa, apenas 13 artigos, atenderam rigorosamente aos critérios de inclusão. Resultados: Após a análise dos 13 artigos que compõem este trabalho, foram encontrados os seguintes temas para discussão: “Recém-nascido; Até 28 dias; Ambiente hospitalar; enfermagem”. Considerações Finais: A promoção do vínculo entre o bebê e seus familiares também é essencial para a recuperação do prematuro e deve ser encorajada. A assistência da enfermagem recém-nascido até 28 dias no ambiente hospitalar deve ser individualizada, levando em consideração as particularidades de cada recém-nascido e sua condição clínica. Por fim, é importante destacar a importância da pesquisa e da evolução tecnológica no desenvolvimento de novas tecnologias e tratamentos para o cuidado ao recém-nascido até 28 dias no ambiente hospitalar, o que pode contribuir ainda mais para a promoção da saúde neonatal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleunice Brizola da Silva, Faculdade Sulamérica, BA, Brasil

[Lattes] - Graduanda em Bacharel em Enfermagem pela Faculdade Sulamérica.

Nádia Oliveira Leite Lopes, Faculdade Sulamérica

[Lattes] - Graduanda em Bacharel em Enfermagem pela Faculdade Sulamérica.

Sane Gabriele Campos de Souza Alves, Faculdade Sulamérica, BA, Brasil

[Lattes] - Graduanda em Bacharel em Enfermagem pela Faculdade Sulamérica.

Flávia Ramos Martins Ranieiro, Faculdade Sulamérica

[Lattes] - Graduada em Bacharel em Enfermagem pela Faculdade Paraná, Pós Graduações em Saúde Pública/PSF, obstétrica e Docência do Ensino Superior.

 

Referências

Almeida, M., & Guinsburg, R. (2022). Reanimação do recém-nascido ≥34 semanas em sala de parto: Diretrizes 2022 da Sociedade Brasileira de Pediatria. Sociedade Brasileira de Pediatria. https://doi.org/10.25060/PRN-SBP-2022-2

Anacleto, L. de A. (2019). Manejo da alta hospitalar do recém-nascido prematuro: Saberes dos enfermeiros. https://doi.org/10.22409/PPGMI.2019.m.07960278709

Araújo, B.B.M. (2018). Prática social da enfermagem na promoção do cuidado materno ao prematuro na unidade neonatal. Texto Contexto Enferm, 2018; 27(4).

Brasil. Ministério da Saúde. (2017). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. Brasília, DF, v. 183, n. 183, p. 68-86. 22 set. 2017. Seção 1, pt. 1.

Carniel, E. de F., Zanolli, M. de L., Almeida, C. A. A. de, & Morcillo, A. M. (2006). Características das mães adolescentes e de seus recém-nascidos e fatores de risco para a gravidez na adolescência em Campinas, SP, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 6, 419–426. https://doi.org/10.1590/S1519-38292006000400009

Chaves, F. A. C., Passos Santos, A., Magalhães Nogueira Ataíde, K. D., & Bezerra Cunha, K. J. (2019). Cuidado e manutenção da integridade da pele do neonato prematuro. Revista de Enfermagem UFPE on line, 13(2), 378. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v13i2a237974p378-384-2019

Darmstadt, G. L., Shiffman, J., & Lawn, J. E. (2015). Advancing the newborn and stillbirth global agenda: Priorities for the next decade. Archives of Disease in Childhood, 100(Suppl 1), S13–S18. https://doi.org/10.1136/archdischild-2013-305557

Dias, A. L. P. O., Hoffmann, C. C., & Cunha, M. L. C. da. (2023). Aleitamento materno de recém-nascido prematuro em unidade de internação neonatal. Revista Gaúcha de Enfermagem, 44. https://seer.ufrgs.br/index.php/rgenf/article/view/129771

Lansky, S., Friche, A. A. D. L., Silva, A. A. M. D., Campos, D., Bittencourt, S. D. D. A., Carvalho, M. L. D., Frias, P. G. D., Cavalcante, R. S., & Cunha, A. J. L. A. D. (2014). Pesquisa Nascer no Brasil: Perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cadernos de Saúde Pública, 30(suppl 1), S192–S207. https://doi.org/10.1590/0102-311X00133213

Leite, P. I. A. G., Pereira, F. D. G., Demarchi, R. F., Hattori, T. Y., Nascimento, V. F. D., & Terças-Trettel, A. C. P. (2020). Humanização da assistência de enfermagem em unidade de terapia intensiva neonatal. Revista de Enfermagem e Atenção à Saúde, 9(1). https://doi.org/10.18554/reas.v9i1.3649

Lima, S. dINIZ lIMA, Jesus, A. C. P. de, Gubert, F. do A., Araújo, T. S. de, Pinheiro, P. N. da C., & Vieira, N. F. C. (2013). Puericultura e o cuidado de enfermagem: Percepções de enfermeiros da Estratégia Saúde da Família. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online), 165–173.

Meneses, L.SL. et al. (2022). O papel da enfermagem no manejo do trabalho de parto normal prematuro de urgência: relato de experiência. Research, Society and Development, 11(7).

Noda, L. M., Alves, M. V. M. F. F., Gonçalves, M. F., Silva, F. S. da, Fusco, S. de F. B., & Avila, M. A. G. de. (2018). A humanização em Unidade de Terapia intensiva neonatal sob a ótica dos pais. REME Rev. Min. Enferm, e-1078.

Oliveira, A. I. B. de, Wernet, M., Facio, B. C., Dias, P. L. M., & Fabbro, M. R. C. (2021). Motivation for vocational training: Significance to nurses in neonatal intensive care. Revista Brasileira de Enfermagem, 74, e20190793. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2019-0793

Organização Mundial de Saúde-OMS. Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas. Genebra: Organização Mundial de Saúde, 2019. Disponível em:<https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/161442/WHO_RHR_15.02_por.pdf;jsessionid=6D485752656B0C05867BB99D62F26922?sequence=3> Acesso em 29 de agosto 2023.

Pinheiro, S. R. C. S., Gubert, F. do A., Martins, M. C., Beserra, E. P., Gomes, C. C., & Feitosa, M. R. (2023). Autoeficácia e apoio social das mães de prematuros em unidade neonatal. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 23, e20210289. https://doi.org/10.1590/1806-9304202300000289

Santos, A. L. M. dos, Oliveira, I. A. de A., Soares, J. G. M., Santos, L. C. dos, Santos, R. de S., Araújo, T. da S., & Santos, L. L. dos. (2021). A atuação do enfermeiro na assistência ao recém-nascido prematuro. Research, Society and Development, 10(13), e550101321455–e550101321455. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21455

Santos, H. M. dos, Silva, L. J. da, Góes, F. G. B., Santos, A. C. N. dos, Araújo, B. B. M. de, & Santos, I. M. M. dos. (2020). Banho enrolado em bebês prematuros em unidade neonatal: A prática na perspectiva de enfermeiros. Rev Rene (Online), 42454–42454. http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/42454

Sousa, S. C. de, Medino, Y. M. S., Benevides, K. G. C. B., Ibiapina, A. de S., & Ataíde, K. de M. N. (2019). Fortalecimento do vínculo entre a família e o neonato prematuro. Rev. enferm. UFPE on line, 298–306.

Downloads

Publicado

2023-11-29

Como Citar

SILVA, C. B. da; LOPES, N. O. L.; ALVES, S. G. C. de S.; RANIEIRO, F. R. M. Os cuidados da enfermagem ao recém-nascido até 28 dias no ambiente hospitalar. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 6, n. 13, p. 2078–2089, 2023. DOI: 10.55892/jrg.v6i13.822. Disponível em: http://www.revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/822. Acesso em: 25 jul. 2024.

ARK