Características associadas ao acesso de gestantes aos serviços odontológicos públicos no Distrito Federal – Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55892/jrg.v7i14.876

Palavras-chave:

Atenção Básica à Saúde, Gestantes, Assistência odontológica, Acesso

Resumo

Este estudo avaliou o acesso de gestantes ao atendimento odontológico nas equipes de saúde bucal no Distrito Federal através da análise de indicadores de consultas odontológicas. O estudo foi realizado a partir da extração de dados secundários, provenientes dos sistemas de informações em saúde de base nacional. A partir dos relatórios e-SUS, oriundos da Secretaria de Saúde do Distrito Federal para o ano de 2019, foram adotadas como unidades de análise todas as sete regiões do Distrito Federal sendo elas, Central, Centro-sul, Leste, Norte, Oeste, Sudoeste e Sul. A coleta dos dados foi realizada no período de março a Julho de 2019. Os dados então foram coletados e exportados para o programa Excel, versão 2007 (Microsoft Corp., Estados Unidos da América), agrupados de acordo com os subgrupos atendimentos odontológicos a serem analisados e apresentados em frequências absolutas e relativas. Para a análise da evolução da série histórica dos indicadores, foi utilizada a análise de regressão linear simples utilizando-se o software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), com significância estatística avaliada a partir do resultado do teste F da análise de variância, considerada no nível de 5%.Foi realizado ANOVA e teste de Tuckey com nível de significância de 5%, utilizando o programa Statistica 2010. Através dos resultados é possível concluir que o acesso aos atendimentos odontológicos não é realizado de modo igualitário, há diferenças entre as regiões do Distrito Federal, no que diz respeito a quantidade de atendimentos odontológicos para gestantes é bem diversificada. Com isso, este estudo evidencia a necessidade de qualificação das políticas públicas no desenvolver de novos estudos, novas ações e a elaboração de medidas públicas que proporcione melhor acesso a esses grupos da população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ataydes Dias Magalhães, Universidade de Brasília

[Lattes]
Graduado em Odontologia. Especialista em Odontopediatria, Saúde Coletiva e Ortodontia. Mestre em Odontologia

Fernanda Campos de Almeida Carrer, Universidade Federal de São Paulo

[Lattes]
Graduado em Odontologia. Mestra em Odontologia. Doutora em Ciências Odontológicas

Gilberto Alfredo Pucca Júnior, Universidade de Brasília

[Lattes]
Graduado em Odontologia; Especialista em Saúde Pública. Mestre em Epidemiologia do Envelhecimento. Doutor em Ciências da Saúde

Referências

ALBUQUERQUE, O. M.; ABEGG, C. L.; RODRIGUES, C. S. Percepção de gestantes do Programa Saúde da Família em relação a barreiras no atendimento odontológico em Pernambuco, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 20, n. 3, p. 789-796, 2004.

ALVES, V. S. Um modelo de educação em saúde para o Programa Saúde da Família: pela integralidade da atenção e reorientação do modelo assistencial. Interface - Comunic., Saúde, Educ., v.9, n.16, p. 39-52, 2005.

ANDERSEN, R.; NEWMAN, J. F. Societal and Individual Determinants of Medical Care Utilization in the United States. Milbank Quarterly, [S.L.], v. 83, n. 4, p. 1-28, 2005.

BARROS, J. D.; BERTOLDI, A. D. Desigualdades na utilização e no acesso a serviços odontológicos: uma avaliação em nível nacional. Ciência & Saúde Coletiva, [S.L.], v. 7, n. W4, p. 709-717, 2002.

BAHRAMIAN, H.; MOHEBBI, S. Z.; KHAMI, M. R.; QUINONEZ, R. B. Qualitative exploration of barriers and facilitators of dental service utilization of pregnant women: A triangulation approach. BMC Pregnancy Childbirth, v. 18, n. 1, p. 153, 2018.

BOTELHO, D. L. L. et al. Odontologia e gestação: a importância do pré-natal odontológico. Sanare (Sobral, Online), v. 18, n. 2, p. 69-77, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Assistência integral à saúde da mulher: bases da ação programática. Brasília: Ministério da Saúde, 1984.

BRASIL. Ministério da Saúde. Assistência Pré-natal: Manual técnico/equipe de elaboração: Janine Schirmer et al. - 3ª edição - Brasília: Secretaria de Políticas de Saúde - SPS/Ministério da Saúde, 2000a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 1329, de 12 de novembro de 1999. Estabelece nova sistemática para o cálculo do incentivo financeiro ao Programa de Saúde da Família, parte integrante do Piso da Atenção Básica - PAB por faixas populacionais de cobertura. Diário Oficial da União, Brasília, v.87, n.218E, p. 23, 16 nov. 1999. Seção 1.

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa de Humanização no pré-natal e Nascimento (PHPN). Brasília: Ministério da Saúde, 2000b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica - n.º 17. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

CARRER, F. C. A. (org.). SUS e Saúde Bucal no Brasil: por um futuro com motivos para sorrir. São Paulo: Agência Cadaris, 2019.

CASCAES, A. M. et al. Gastos privados com saúde bucal no Brasil: análise dos dados da pesquisa de orçamentos familiares, 2008-2009. Cadernos de Saúde Pública, [S.L.], v. 33, n. 1, p. 1-12, 2017.

CHAVES, S. C. L. et al. Política de Saúde Bucal no Brasil 2003-2014: cenário, propostas, ações e resultados. Ciência & Saúde Coletiva, [S.L.], v. 22, n. 6, p. 1791-1803, 2017.

CORRÊA, E. M.; ANDRADE, E. D.; V. M. Tratamento odontológico em gestantes. Escolha da solução anestésica local. Revista ABO Nacional, v. 11, n. 2, p. 107-110, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Comentário dos resultados. In: IBGE. Tabulação avançada do Censo Demográfico 2000: resultados preliminares da amostra. Rio de Janeiro: Editora IBGE, 2002. p. 45-88.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA- IBGE. Censo 2010, resultados preliminares da amostra. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/resultados_preliminares_amostra/default_result ados_preliminares_amostra.shtm>.

KORNIS, G. E. M.; MAIA, L. S.; FORTUNA, R. F. P. Evolução do financiamento da atenção à saúde bucal no SUS: uma análise do processo de reorganização assistencial frente aos incentivos federais. Physis: Revista de Saúde Coletiva, [S.L.], v. 21, n. 1, p. 197-215, 2011.

LAVRAS, C. Atenção primária à saúde e a organização de redes regionais de atenção à saúde no Brasil. Saúde e Sociedade, [S.L.], v. 20, n. 4, p. 867-874, 2011.

LEAL, N. P. Saúde bucal da gestante: conhecimentos, práticas e representações do médico, do dentista e da paciente. Dissertação (Mestrado em Odontologia) – Fundação Oswaldo Cruz- Rio de Janeiro, 2006.

MARTINS, R. F. O.; MARTINS, Z. I. O que as gestantes sabem sobre cárie: uma avaliação dos conhecimentos de primigestas e multigestas quanto a própria saúde bucal. Revista ABO Nacional, v.10, n.5, p. 278-284, 2002.

MIOTTO, M. H. M. B.; BARCELLOS, L. A.; VELTEN, D. B. Avaliação do impacto na qualidade de vida causado por problemas bucais na população adulta e idosa em município da Região Sudeste. Ciência & Saúde Coletiva, [S.L.], v. 17, n. 2, p. 397-405, 2012.

MOIMAZ, S. A. S.; ROCHA, N. B.; SALIBA, O.; GARBIN, C. A. S. O acesso de gestantes ao tratamento odontológico. Revista de Odontologia da Universidade de São Paulo, v.19, n. 1, p. 39-45, 2007.

MOURA, B. L. A.; CUNHA, R. C.; FONSECA, A. C. F., et al. Atenção primária à saúde: estrutura das unidades como componente da atenção à saúde. Rev Bras Saude Mater Infant, v.10, n.1, p.69-81, 2010.

NEVES, M.; GIORDANI, J.; HUGO, F. Atenção primária à saúde bucal no Brasil: processo de trabalho das equipes de saúde bucal. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, p. 1809-1820, 2019.

NOGUEIRA, L. T., et al. Retardo na procura do tratamento odontológico e percepção da saúde bucal em mulheres grávidas. Revista CRO, v. 11, n. 2, p. 127-131, 2012.

PIMENTEL, F. C., et al. Caracterização do processo de trabalho das equipes de saúde bucal em municípios de Pernambuco, Brasil, segundo porte populacional: da articulação comunitária à organização do atendimento clínico. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 28, Sup:S146-S157, 2012.

PINHEIRO, R. S.; TORRES, T. Z. G. Uso de serviços odontológicos entre os Estados do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v.11, p.999-1010, 2006.

PINHEIRO, R. S., et al. Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil. Cienc. Saude Colet., v.7, n.4, p.687-707, 2002.

PINTO, H. Á.; SOUZA, A. N. A.; FERLA, A. A. O Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica: várias faces de uma política inovadora. Saúde Debate, v.38, p.358-372, 2014.

PUCCA JR, G. A.; GABRIEL, M.; DE ARAUJO, M. E.; DE ALMEIDA, F. C. Ten years of a national oral health policy in Brazil: innovation, boldness, and numerous challenges. J Dent Res, v.94, n.10, p.1333-7, 2015.

REIS, D., et al. Educação em saúde como estratégia de promoção de saúde bucal em gestantes. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, p. 269-276, 2010.

SCAVUZZI, A. I. F.; NOGUEIRA, P. M.; LAPORTEI, M. E.; ALVES, A. C. Avaliação dos conhecimentos e práticas em saúde bucal de gestantes atendidas no setor público e privado, em Feira de Santana, Bahia, Brasil. Pesq Bras Odontoped Clin Integr, v.8, n.1, p.39-45, 2008.

SCHOFIELD, T., et al. Understanding men's health and illness: a gender relations approach to policy, research, and practice. J. Am. Coll. Health, v.48, n.6, p.247-256, 2000.

TRAVASSOS, C.; MARTINS, M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cadernos de Saúde Pública, [S.L.], v. 20, n. 2, p. 190-198, 2004.

TREVISAN, C.; PINTO, A. Fatores que interferem no acesso e na adesão das gestantes ao tratamento odontológico. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, v. 2, n. 2, 2013.

Downloads

Publicado

2024-02-29

Como Citar

MAGALHÃES, A. D.; CARRER, F. C. de A.; PUCCA JÚNIOR, G. A. . Características associadas ao acesso de gestantes aos serviços odontológicos públicos no Distrito Federal – Brasil. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 7, n. 14, p. e14876, 2024. DOI: 10.55892/jrg.v7i14.876. Disponível em: http://www.revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/876. Acesso em: 22 jun. 2024.

ARK