Educação Infantil e currículo: o (não)lugar do brincar nos atos curriculares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55892/jrg.v7i14.893

Palavras-chave:

Educação Infantil, Currículo, Brincar

Resumo

O presente estudo tem como objetivo trazer à tona reflexões teóricas sobre as aproximações e distanciamentos presentes na relação entre o currículo da Educação Infantil e o (não)lugar do brincar na construção curricular. A reflexão é tensionada por uma dicotomia que atravessa a Educação Infantil onde, de um lado temos a regulação dominante e colonizadora dos adultos, concebida pela racionalização dos números, horários e rotinas universalizantes, e de outro, temos a manifestação imaginativa e inventiva do brincar, a expressividade brincante da criança, a cultura infantil e o tempo-espaço sentido e vivido. Deste modo, tendo como método adotado a pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico, o estudo foi edificado nos pressupostos teóricos que tratam sobre o currículo (SANTOMÉ, 1998; SACRISTÁN, 2000 e MOREIRA E SILVA, 2013) em interface com as discussões específicas a respeito do currículo da Educação Infantil (OLIVEIRA, 2010, 2011), bem como, nos campos da Sociologia da Infância (SIROTA, 2001; SARMENTO, 2003, 2004, 2008, 2015; CORSARO, 2011) e da Psicologia Histórico-Cultural (VIGOTSKI, 1991; 2008, 2014), para fundamentar as discussões sobre o sujeito criança e o brincar, respectivamente. Partindo dos aportes da Sociologia da Infância, considerando que as crianças integram realidades específicas, sendo capazes de compreendê-las e modifica-las, acreditamos que a discussão acerca do protagonismo infantil é fundamental para (re)pensarmos o currículo, alargando o nosso olhar a fim de dar conta dos espaços/lugares/tempos destinados às crianças e ao brincar, com vistas a contribuir para a ampliação do debate sobre aspectos essenciais à construção curricular da Educação Infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hortência Pessoa Pereira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, BA, Brasil

[Lattes]

Mestre em Educação (PPGED/UESB). Bacharela e Licenciada em Psicologia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Integrante do Núcleo de Pesquisas e Estudos em Psicologia (NUPEP/UESB). Psicóloga Clínica e Escolar.

Fábio Viana Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, BA, Brasil

[Lattes]

Licenciado em Pedagogia e História. Especialista em Educação, Direitos Humanos e Diversidade Étnico-Social. Membro   do   Grupo de Estudos e Pesquisa em Práticas Curriculares e Educativas (GEPPCE/CNPq).

Mariana Aguiar Manenti, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, BA, Brasil

[Lattes]

Mestre em Educação (PPGED/UESB). Bacharela em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia, no Instituto Multidisciplinar em Saúde (UFBA/IMS/CAT). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Práticas Curriculares e Educativas (GEPPCE/CNPq).

Referências

APPLE, M. W. Ideologia e Currículo. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

ARRIGHI, Giovani. O Longo Século XX. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

BORBA, A. M; NOGUEIRA, A.; TERRA BORBA, T. N. M. Infância, Arte e Educação Infantil: as práticas com as múltiplas linguagens das crianças. In: REIS, M.; BORGES, R. R. Educação Infantil: Arte, cultura e sociedade. Curitiba: Editora CRV, 2016, p. 45- 62.

BRASIL. Lei no 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 4 abr. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Nacionais de Qualidade para Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2006a. v. 1.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Nacionais de Qualidade para Educação Infantil, Brasília: MEC/SEB, 2006b. v. 2.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CEB/CNE no 05/09, de 18 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 2009.

CARVALHO, Alysson Massote; ALVES, Maria Michelle Fernandes; GOMES, Priscila de Lara Domingues. Brincar e Educação: concepções e possibilidades. Psicologia em Estudo. Maringá, v. 10, n. 2, p. 217-226, mai./ago. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pe/v10n2/v10n2a08.pdf >Acesso em: 12 nov. 2023.

CORSARO, William A. Sociologia da Infância. 2. ed., Porto Alegre: Artmed, 2011.

FARIA, Andréa Alice da Cunha; NETO, Paulo Sérgio Ferreira. Ferramentas do Diálogo: qualificando o uso das técnicas do DRP - diagnóstico rural participativo. Brasília: MMA; IEB, 2006.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 2. Ed., 1987.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. In: Educação & Realidade. jul/dez. 1997. pp. 15-46.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

JAURIS, Roberta Bolzan. Autonomia em episódios interativos entre professora e crianças da educação infantil. 2015. 170f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2015.

MANENTI, Mariana Aguiar; SANTOS, Fábio Viana; MOREIRA, Nubia Regina. Cultura, identidade e política no currículo de formação em Psicologia. Conjecturas, v. 22, n. 5, p. 622-631, 2022.

MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa (Org.). Currículo: Políticas e Práticas. 13. ed. Campinas: Papirus, 2013.

MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa; SILVA, Tomaz Tadeu da. Currículo, sociedade e cultura. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação Infantil: fundamentos e métodos. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2011.

OLIVEIRA, Zilma Ramos de. O Currículo na Educação Infantil: O que propõem as Novas Diretrizes Nacionais In: Seminário Nacional: Currículo Em Movimento – Perspectivas Atuais, 2010, Belo Horizonte. Disponível em:. Acesso em: 15 nov. 2023.

ROCHA, Eloisa Acires Candal; BUSS-SIMÃO, Márcia. Infância, Experiência e Educação: apontamentos a partir de reflexões sobre a pequena infância. Childhood & Philosophy, Rio de Janeiro, v. 14, n. 29, jan.-abr. 2018, p. 27-42. Disponível em: Acesso em: 19 de nov. 2023.

SACRISTÁN, Jose Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed. 2000.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. (Cláudia Schlling, Trans.). Porto Alegre: Artmed. 1998.

SANTOS, Fábio Viana; DE OLIVEIRA SEREJO, Janaína Alves; MANENTI, Mariana Aguiar. Educação, currículo e pandemia: o fracasso das competências socioemocionais da BNCC. Ensino em Perspectivas, v. 3, n. 1, p. 1-5, 2022.

SARMENTO, Manuel Jacinto. As Culturas da Infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. Braga: Instituto de Estudos da Criança, Universidade do Minho, 2003.

SARMENTO, Manuel. Jacinto. As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. In: Sarmento, M. J.; Cerisara, A. B. (Orgs.). Crianças e miúdos: Perspectivas sociopedagógicas sobre a infância e educação. Vila Nova de Gaia: Edições ASA, 2004. p. 9-34.

SARMENTO, Manuel. Jacinto. “Sociologia da Infância: Correntes e Confluências”. In: SARMENTO, M. J; GOUVÊA, M. C. S. (org.) (2008). Estudos da Infância: educação e práticas sociais. Petrópolis. Vozes p. 17-39, 2008. Disponível em: <http://www2.fct.unesp.br/simposios/sociologiainfancia/T1%20Sociologia%20da%20Inf%E2ncia%20Correntes%20e%20Conflu%EAncias.pdf> Acesso em: 19 nov. 2023.

SARMENTO, Manuel. Jacinto. Educação Infantil em jornada de tempo integral: dilemas e perspectivas. In: ARAÚJO, Vania Carvalho de; SARMENTO, Manuel Jacinto (org) [et al]. Para uma agenda da educação da infância em tempo integral assente nos direitos da criança. Brasília, Ministério da Educação; Vitória: EDUFES, 2015. p. 61 – 89.

SILVA, Andressa Joseane da. A Organização dos Espaços na Educação Infantil e sua Influência na Expressão Cultural das Crianças de 0 a 3 anos. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, 2010.

SILVA, Carmem Virginia Moraes da. O brincar das crianças do campo e a Educação Infantil. 2016, 206 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Estado da Bahia, Salvador-BA, 2016.

SIROTA, Régine. Emergência de uma Sociologia da Infância: evolução do objeto e do olhar. Tradução Neide Luzia de Rezende. Cadernos de Pesquisa. Fundação Carlos Chagas, São Paulo: Autores Associados, nº 112, p.7-32, março/2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/n112/16099.pdf> Acesso em: 19 nov. 2023.

VYGOTSKY, Lev. Semyonovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VYGOTSKY, Lev. Semyonovich. Pensamento e Linguagem. Tradução Jefferson Luiz Camargo. 4ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

VYGOTSKY, Lev. Semyonovich. Imaginação e criatividade na infância. Tradução João Pedro Fróis. São Paulo: Editora WMF: Martins Fontes, 2014.

Downloads

Publicado

2024-01-08

Como Citar

PEREIRA, H. P.; SANTOS, F. V.; MANENTI, M. A. Educação Infantil e currículo: o (não)lugar do brincar nos atos curriculares. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 7, n. 14, p. e14893, 2024. DOI: 10.55892/jrg.v7i14.893. Disponível em: http://www.revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/893. Acesso em: 22 jun. 2024.

ARK