Toxicidade preliminar dos extratos e frações obtidas das folhas e das cascas do caule da Dalbergia brasiliensis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55892/jrg.v7i14.896

Palavras-chave:

Dalbergia brasiliensis, Toxicidade preliminar, Artemia salina, Atividade hemolítica

Resumo

O gênero Dalbergia Linn. f. (Fabaceae) contém cerca de 250 espécies e encontra-se ameaçado em extinção devido ao alto valor econômico da sua madeira. Muitas espécies do gênero são utilizadas na medicina tradicional chinesa. A espécie Dalbergia brasiliensis ocorre de forma natural no Brasil (Cerrado e Floresta Atlântica) e possui poucos estudos na literatura. O objetivo do estudo foi avaliar a toxicidade preliminar por meio do ensaio frente ao microcrustáceo Artemia salina Leach. e pela avaliação da atividade hemolítica dos extratos e frações das cascas do caule e das folhas da espécie Dalbergia brasiliensis. No ensaio sistemático de prospecção fitoquímica, nos extratos aquoso e hidroalcóolico das folhas, mostraram a presença de alcaloides, flavonoides, esteroides, iridóides, taninos condensados e aminogrupos; nos extratos das cascas mostraram os mesmos compostos e ainda, heterosides antocianicos e saponínicos. O material vegetal seco e triturado foi utilizado para a obtenção dos extratos brutos etanólicos em aparelho Soxhlet. A partir do extrato bruto das cascas do caule e das folhas, foram obtidas as frações hexano, clorofórmio e acetato de etila. Em relação a toxicidade preliminar frente a A. salina, todas as amostras apresentaram um valor de CL50 superior a 1000μg/mL, evidenciando a baixa toxicidade. Na avaliação da atividade hemolítica, o mesmo resultado negativo foi evidenciado nas placas de Agar sangue. Na avaliação em tubos, a fração hexanica da casca apresentou resultado positivo necessitando de mais estudos para compreender sua atividade tóxica. A baixa toxicidade dos extratos e frações de D. brasiliensis nos testes realizados demostra o potencial desta planta para futuros estudos de purificação de compostos e de determinação de outras atividades biológicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciane Dalarmi, Federal University of Paraná

[Lattes]

Doutora em Ciências Farmacêutica pela Universidade Federal do Paraná.

Elisiane Bona Sartor, Federal University of Paraná

[Lattes]

Graduada Farmácia. Mestra em Ciências Farmacêuticas.

Cíntia Aparecida dos Anjos, Federal University of Paraná

 [Lattes]

Graduada Farmácia. Mestra em Ciências Farmacêuticas.

Karine Amorim Fladzinski, Federal University of Paraná

[Lattes]

Graduada Farmácia. Mestranda em Ciências Farmacêuticas.

Idonilton da Conceição Fernandes, Federal University of Paraná

[Lattes]

Graduado em Farmácia. Mestre em Ciências Farmacêuticas.

Deise Prehs Montrucchio, Federal University of Paraná

[Lattes]

Graduada em Farmácia. Doutora em Farmacologia.

Josiane de Fátima Gaspari Dias, Federal University of Paraná

[Lattes]

Graduada em Farmácia. Doutora em Ciências Farmacêuticas.

Marilis Dallarmi Miguel, Federal University of Paraná

[Lattes]

Graduada em Quimica Doutora em Doutorado em Agronomia (Produção Vegetal).

Referências

ARAÚJO, M.G.F.; CUNHA, W.R.; VENEZIANI, RCS. Estudo fitoquímico preliminar e bioensaio toxicológico frente a larvas de Artemia salina Leach. de extrato obtido de frutos de Solanum lycocarpum A. St.-Hill (Solanaceae). Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v.31, n.2, p.205-209, 2010.

BAROSA, J.; FERREIRA, A.; FONSECA, B.; SOUZA, I. Teste de toxicidade de cobre para Artemia salina. Poluição e ecotoxicologia marinha, Nov. 2003.

BEDNARCZUK, V.O; VERDAM, M.C.S; MIGUEL, M.D.; MIGUEL, O.G. Testes in vitro e in vivo utilizados na triagem toxicológica. Visão Acadêmica, v.11 (2), p.43-50, 2010.

CARVALHO, P.E.R.; VIANA NETO, J.A.A; DALMAS, I. Comparação entre essências florestais nativas e exóticas em Quedas do Iguaçu, PR: Resultados Preliminares. Curitiba: EMPRAPA-CNPF, 1987. (EMBRAPA-CNPF. Circular Técnica,15).

CARVALHO, P.E.R. Jacarandá - Dalbergia brasiliensis. Curitiba: EMPRAPA-CNPF, 2004. (EMBRAPA-CNPF. Circular Técnica,98).

DALARMI, L.; SILVA, C.B.; OCAMPOS, F.M.M.; OLIVEIRA, D.S.; BURCI, L.; MIGUEL, O.G.; MIGUEL, M.D. Evolução na Pesquisa Fitoquímica aplicada às Atividades Biológicas do Gênero ameaçado de extinção Dalbergia. Visão Academica, v.16, 2015.

DALARMI, L.; SILVA, C.B.; Szabo, E.M.; Oliveira, D.M.S.; Oliveira, M.; OLIVEIRA, V.B.; ZANIN, S.M.W.; DIAS, J.F.G.; MIGUEL, O.G., MIGUEL, M.D. Dalbergia brasiliensis Vogel Extracts in vitro Antioxidant Activity and Phytotoxic Effect in Lactuca sativa and Allium cepa. International Journal of Sciences, v.6, p.80-87, 2017.

EFING, L. M. A. C. Compostos bioativos do material resinoso, subproduto do processamento da erva-mate (llex paraguariensis A. St. –Hil.). 2008. 108f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Paraná.

FINNEY, D.J. Probit analysis. 3rd ed. Cambridge University Press, Cambridge, 1971.

HUNG, TH; SO, T.; SRENG, S.; THAMMAVONG, B. BOOUNITHIPHONH C.; BOSHIER, D.H.; MACKAY J.J. Reference transcriptomes and comparative analyses of six species in the threatened rosewood genus Dalbergia. Scientic Reports, v.10, n.1, p.17749, 2020. doi: 10.1038/s41598-020-74814-2.

MACIEL, M. A. M.; PINTO, Â. C.; VEIGA J.R, VALDIR V; GRYNBERG, N.F; ECHVARRIA, Á. Plantas medicinais: A necessidade de estudos multidisciplinares. Química Nova. v.25, n.3, p.429-438, 2002.

MEYER, B. N. et al. Brine Shrimp: a convenient general bioassay for active plant constituents. Planta médica, v.45, n. 5, p.31, 1982.

MIGUEL, O.G. Ensaio sistemático de análise em fitoquímica. Apostila da disciplina de Fitoquímica do curso de farmácia da UFPR, Curitiba, 2003.

MOREIRA, E. A. Marcha sistemática de análise em fitoquímica. Tribuna farmacêutica. V. 47, n. 1, p. 1-19, 1979.

NGUTA, J.M. et al. Biological screening of kenya medicinal plants using Artemia salina L. (Artemiidae). Pharmacologyonline, v.2, p.458-78, 2011.

OMS, Quality Control Methods For Medicinal Plant Material. p. 41, 1998

Saha, S., Anisuzzaman, M., Islam, M.K., Mondal, H., Talukder, C. (2013) Antibacterial and cytotoxic potential of Dalbergia spinosa Roxb. leaves. Int J Pharm Sci Res, v. 4, p. 512-515, 2013.

VASUDEVA, N.; VATS, M.; SHARMA,SK ; SARDANA, S. Chemistry and biological activities of the genus Dalbergia. Pharmacognosy Review, v.3, n.6, p.307-319, 2009.

WINFIELD, K., SCOTT, M. & GRAYSN, C. Status global das espécies produtoras de pau-rosa Dalbergia e Pterocarpus no comércio. na Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas, 17ª Conferência das Partes - Joanesburgo (2016).

Downloads

Publicado

2024-01-08

Como Citar

DALARMI, L.; SARTOR, E. B.; ANJOS, C. A. dos; FLADZINSKI, K. A.; FERNANDES, I. da C.; MONTRUCCHIO, D. P.; DIAS, J. de F. G.; MIGUEL, M. D. Toxicidade preliminar dos extratos e frações obtidas das folhas e das cascas do caule da Dalbergia brasiliensis. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 7, n. 14, p. e14896, 2024. DOI: 10.55892/jrg.v7i14.896. Disponível em: http://www.revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/896. Acesso em: 22 jun. 2024.

ARK