Todo dia uma questão, todo dia uma luta - A experiência emocionalmente vivida na criação e/ou acionamento de estratégias de permanência por estudantes negras lésbicas e bissexuais na UFMT

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55892/jrg.v7i14.915

Palavras-chave:

Educação superior, Permanência, Experiência emocionalmente vivida, Negras lésbicas, Negras bissexuais

Resumo

As cotas raciais são políticas de ações afirmativas à curto prazo que visam corrigir desigualdades no ingresso na Educação Superior, o que implica na garantia da permanência. Assim, nosso objetivo é compreender as estratégias de permanência que estudantes negras lésbicas e bissexuais criam e/ou acionam no enfrentamento à estrutura racista, machista e homofóbica ainda vigente na Educação Superior brasileira afim de concluírem suas graduações, a partir da psicologia sócio-histórica, mais especificamente o conceito de experiência emocionalmente vivida. São utilizadas na análise as contribuições que o Estudo das Relações Raciais em interface com a Educação e a Psicologia já revelaram, do Feminismo Negro, bem como as importantes observações feitas no campo científico acerca da permanência na Educação Superior no contexto de democratização do acesso à educação superior e o conceito de experiência emocionalmente vivida cunhado por Vygotsky (1935). É uma pesquisa qualitativa de caráter bibliográfico e exploratório, na qual utilizamos a técnica de coleta de dados das entrevistas semiestruturadas, sendo que para chegar até as estudantes, usamos a amostragem em “bola de neve”. Ao final da análise do conteúdo, evidencia-se que as estudantes negras lésbicas e bissexuais criam e acionam diversas estratégias de permanência para conseguirem enfrentar a estrutura social marcada pelo racismo, machismo, lesbofobia, bifobia e elitismo que infelizmente também estão presentes no meio universitário. Foi observado também que há a necessidade de intervenções institucionais para mudar este cenário, pois, estes atravessamentos comprometem o desempenho acadêmico destas estudantes. As falas revelam que a não conclusão dos cursos nos quais estão matriculadas é produto do processo de exclusão e isolamento que elas sofrem ao longo da graduação, estes por sua vez advindos da marca do elitismo nas universidades, do epistemicídio que silencia mulheres negras por séculos, bem como das dificuldades enfrentadas para acessar programas de auxílios que lhes são de direito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valquiria da Silva Ferreira, Universidade Federal de Mato Grosso

[Lattes]
Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT, campus Cuiabá. Integrante do Coletivo Negro Universitário – UFMT; do Kilombo Cassangue – Coletivo de Pretos e Pretas estudantes de Psicologia – UFMT; da Comissão de Relações Étnico Raciais - Conselho Regional de Psicologia; e organizadora do Grupo de Estudos em Psicologia Política – UFMT.

Ana Luisa Alves Cordeiro, Universidade Federal de Mato Grosso

[Lattes]
Orientadora da pesquisa. Professora Permanente da linha Movimentos Sociais, Política e Educação Popular, no Programa de Pós-graduação em Educação, da Universidade Federal de Mato Grosso. Pós-doutora em Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Doutora em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco. Graduada em Teologia, Administração e Pedagogia. Integra o Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações Raciais e Educação da UFMT, enquanto vice-coordenadora; o Flores Raras - Grupo de Pesquisa em Educação, Comunicação e Feminismos da UFJF; o Centro de Estudos, Pesquisa e Extensão em Educação, Gênero, Raça e Etnia da UEMS; a Área Científica 'Feminismos Negros' da ABPN; o GT 11 'Política da Educação Superior' da ANPEd; e a Rede Universitas/Br, que investiga as políticas de expansão da educação superior no Brasil, pós-LDB.

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen Produção Editorial LTDA, 2019.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural?. São Paulo: Letramento, 2018.

ALVES, Raíla de Melo. Negras e sapatões: uma análise sobre elaborações de identidades nos movimentos lésbico e racial no Distrito Federal. 2019. 131 f. Tese (Mestrado em Estudos Comparados sobre as Américas) - Universidade de Brasília, Brasília, 2019.

ASSUNÇÃO, Sulamita Jesus e. Quebradas feministas: estratégias de resistência nas vozes das mulheres negras e lésbicas negras da periferia sul da cidade de São Paulo. 2018. 126 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.

AUAD, Daniela; CORDEIRO, Ana Luisa A. A interseccionalidade nas políticas de ações afirmativas como medida de democratização da educação superior. EccoS – Revista Científica, São Paulo, n. 45, p. 191-207, jan./abr. 2018.

BOCK, Ana Mercês Bahia. A psicologia sócio-histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. São Paulo: Cortez, 2001.

BONI, Valdete; QUARESMA, Sílvia Jurema. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em Tese, Santa Catarina, v. 2, n. 1, p. 68-80, 2005.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Lei Maria da Penha. Brasília: Presidência da República, 2006.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Lei das Cotas. Brasília: Presidência da República, 2012.

CAMPOS, Carmem Hein de. Feminicídio no Brasil: uma análise crítico-feminista. Sistema Penal & Violência, Rio Grande do Sul, v. 7, n. 1, p. 103-115, 2015.

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

CAVALLEIRO, Eliane dos Santos. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. São Paulo: Editora Contexto, 2000.

CORDEIRO, Ana Luisa Alves; AUAD, Daniela. Estratégias de Resistência de Negras Cotistas Lésbicas e Bissexuais. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 29, n. 3, e82622, 2021.

CORDEIRO, Maria José de J. A.; CORDEIRO, Ana Luisa A; MULLER, Maria L. R. Estratégias de Permanência de Estudantes na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). Rev. Fac. Educ. (Univ. do Estado de Mato Grosso), Cáceres/MT, v. 25, ano 14, n. 1, p. 131-154, jan./jun. 2016.

COSTA, Simone Gomes. A permanência na educação superior no Brasil: uma análise das políticas de assistência estudantil. In: IX Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária na América do Sul, Florianópolis, 2009.

GIL, Antonio Carlos et al. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GISI, Maria Lourdes. A Educação Superior no Brasil e o caráter de desigualdade do acesso e da permanência. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 6, n. 17, p. 97-112, 2006.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: BRASIL. Educação Anti-racista: caminhos abertos pela Lei federal nº 10.639/03. Brasília: MEC, Secretaria de educação continuada e alfabetização e diversidade, 2005, p. 39 - 62.

GOMES, Romeu. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: DESLANDES, Suely Ferreira; GOMES, Romeu; MINAYO, Maria Cecília de Souza (Orgs.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2011, p. 79-108.

GONZAGA, Paula Rita Bacellar. "A gente é muito maior, a gente é um corpo coletivo": produções de si e de mundo a partir da ancestralidade, afetividade e intelectualidade de mulheres negras lésbicas e bissexuais. 2019. 347 f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Universidade Federal de Minas Gerais, 2019.

GONZALEZ, Lélia. O Movimento Negro na última década. In: GONZALEZ, Lélia; HASENBALG Carlos. Lugar de negro. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero, 1982, p. 9-68.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 1999.

HASENBALG Carlos. Raça Classe e Mobilidade. In: GONZALEZ, Lélia; HASENBALG Carlos. Lugar de negro. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero, 1982, p. 67-102.

HOOKS, bell. Intelectuais negras. Estudos feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 464-478, 1995.

IPEA. Estudo do Ipea mostra aumento da inserção de negros nas universidades. 2019. Disponível em: <https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=35009#:~:text=Estud>. Acesso em: 17 maio 2022.

LAHNI, Cláudia Regina; AUAD, Daniela. Topografias feministas: uma teoria das mulheres em movimento. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 29, n. 3, e82526, 2021.

LIMA, Fátima. Raça, Interseccionalidade e Violência: corpos e processos de subjetivação em mulheres negras e lésbicas. Cadernos de Gênero e Diversidade, Salvador, v. 4, n. 2, p. 66-82, 2018.

LORDE, Audre. As ferramentas do mestre nunca vão desmantelar a casa-grande. Tradução de Tatiana Nascimento revisada em fevereiro de 2012, do artigo The Master’s Tools Will Never Dismantle the Master’s House. In: Lorde, Audre. Sister outsider: essays and speeches. New York: The Crossing Press Feminist Series, 1984, p. 110-113.

LORDE, Audre. I Am Your Sister - COLLECTED AND UNPUBLISHED WRITINGS OF AUDRE LORDE”, Oxford University Press, 2009. Disponível em: <https://www.mpba.mp.br/sites/default/files/biblioteca/direitos-humanos/direitos-da-populacao-lgbt/obras_digitalizadas/audre_lorde_-_textos_escolhidos_portu.pdf>. Acesso em: 26 jun. 2022.

LORDE, Audre. Irmã Outsider: Ensaios e Conferências. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da sexualidade. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

MARCELINO, Sandra Regina de Souza. Mulher negra lésbica: a fala rompeu o seu contrato e não cabe mais espaço para o silêncio. 2011. 156 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

MARCELINO, Sandra Regina de Souza. “Entre o racismo e a lesbofobia: relatos de ativistas negras lésbicas do Rio de Janeiro”. Gênero, Niterói, v. 16, n. 2, p. 111-129, 1 sem. 2016.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio da pesquisa social. In: DESLANDES, Suely Ferreira; GOMES, Romeu; MINAYO, Maria Cecília de Souza (Orgs.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2011, p. 9-29.

MUNANGA, Kabengele; GOMES, Nilma Lino. O Negro no Brasil de Hoje. São Paulo: Global, 2006.

NOGUEIRA, Nadia. Lésbicas negras em movimento. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 29, n. 3, 2021.

PACOR, Mariana Franco. Estudante mulher lésbica artista. 2017. 91 f. TCC (Graduação em Artes Visuais) - Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2017.

SANTOS, Bettina Steren dos. Educação superior: processos motivacionais estudantis para a evasão e a permanência. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação-Periódico científico editado pela ANPAE, v. 33, n. 1, p. 73-94, 2017.

SANTOS, Regina Coeli Benedito dos; GÓIS, João Bosco Hora. Gênero, Raça e Solidariedade: um estudo da organização política de lésbicas negras. Revista Gênero, v. 8, n. 1, p. 71-98, 2007.

SANTOS, Tatiana Nascimento dos; ARAÚJO, Bruna Pinheiro; RABELLO, Luiza Rocha. Percepção de lésbicas e não-lésbicas sobre a possibilidade da aplicação da Lei Maria da Penha em casos de lesbofobia intrafamiliar e doméstica. Revista Bogas, n.11. p. 101-119, 2014.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, 1995.

SILVA, Marcos Antonio Batista da. Discursos étnico-raciais proferidos por pesquisadores/as negros/as na pós-graduação: acesso, permanência, apoios e barreiras. 2015. 240 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.

SILVA, Maria das Graças M. da. Expansão na educação superior e a política de democratização: avanços e contradições. In: SILVA, Maria Das Graças M. da (Org.). Políticas Educacionais: faces e interfaces da democratização. Cuiabá: EDUFMT, 2011, p. 13- 37.

SILVA, Maria das Graças Martins da; VELOSO, Tereza Christina Mertens Aguiar. Acesso nas políticas da educação superior: dimensões e indicadores em questão. Avaliação (Campinas), Sorocaba, v. 18, n.3, p. 727-747, 2013.

SOUZA, Juliane Campos de. Mulheres negras que amam mulheres: travessias e deslocamentos na produção de subjetividades. 2021. 81 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2021.

TREVISOL, Joviles Vitório; NIEROTKA, Rosileia Lucia. Os jovens das camadas populares na universidade pública: acesso e permanência. Revista Katálysis, Florianópolis. v. 19, n. 1, p. 22-32, 2016.

VINUTO, Juliana. A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, v. 22, n. 44, p. 202-218, 2014.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. O problema do meio. Fundamentos de podologia. Leningrad: Izdanie Instituto, p. 58-78, 1935. Do original: The problem of the environment. In: VAN DER VEER, R. e VALSINER, J. The Vygotsky Reader. Blackwell, 1994, p. 338-354.

ZAGO, Nadir. Do acesso à permanência no ensino superior: percursos de estudantes universitários de camadas populares. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 32, p. 226-370, 2006.

Downloads

Publicado

2024-01-28

Como Citar

FERREIRA, V. da S.; CORDEIRO, A. L. A. Todo dia uma questão, todo dia uma luta - A experiência emocionalmente vivida na criação e/ou acionamento de estratégias de permanência por estudantes negras lésbicas e bissexuais na UFMT. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 7, n. 14, p. e14915, 2024. DOI: 10.55892/jrg.v7i14.915. Disponível em: http://www.revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/915. Acesso em: 22 jun. 2024.

ARK