Cinética da decomposição da matéria orgânica vegetal e liberação do CO2 edáfico em sistemas de cultivo e em áreas de floresta

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55892/jrg.v7i14.944

Palavras-chave:

Decomposição da fitomassa, Respiração edáfica, Gliricia sepium, Schinus terebinthifolius

Resumo

As análises de gases produzidos pelo solo fornecem importantes indicativos nos processos radiculares e microbiais que nele ocorrem. Estudos de evolução de CO2 e difusão de O2, dentro da massa do solo e da rizosfera, podem mostrar as interações predominantes entre microrganismos do solo e a decomposição da matéria orgânica. Devido às limitadas informações sobre esses processos, o presente trabalho objetivou avaliar a dinâmica da decomposição dos resíduos vegetais de Schinus terebinthifolius e Gliricidia sepium e a respiração edáfica em diferentes sistemas de uso e manejo do solo. A escolha das espécies se deu pelo fato destas apresentarem diversas utilidades e terem sido introduzidas em várias microrregiões do nordeste brasileiro, sobretudo, no semiárido. O monitoramento da respiração edáfica foi realizado entre o período de 21 de fevereiro a 23 de junho de 2022, durante o período de chuva na região. Utilizou-se cinco sistemas de uso e ocupação do solo: Mandala agrícola (MA), Floresta (F), Sistema agroflorestal (SA), Monocultivo de palma (MP) e Área degradada (AD). Para quantificar o dióxido de carbono liberado em cada sistema, utilizou-se a metodologia proposta por Grisi (1978). Os resultados demonstraram que os diferentes sistemas de cultivo e floresta influenciam a decomposição da fitomassa foliar de G. sepium e S. terebinthifolius. A velocidade de decomposição de G. sepium é maior no sistema de cultivo no MP, seguido pela AD, FL, MA e SAF. A velocidade de decomposição da S. terebinthifolius é maior na área AD, seguido pela MP, MA, FL e SAF. As diferentes formas de uso e cobertura da terra interferem na respiração edáfica. Sistemas com maior intervenção antrópica liberam mais CO2 para atmosfera. Áreas de vegetação natural funcionam como receptoras e poços de CO2. O sistema do SAF emite maior quantidade de CO2, seguido pela MA, AD, MP e FL.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ariel Roxany da Silva Brasileiro, Universidade Federal da Paraíba

[Lattes]
Doutoranda em Agronomia pela Universidade Federal da Paraíba.

Alex da Silva Barbosa, Universidade Federal da Paraíba

[Lattes]
Docente do Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba.

Anderson Matias Fragoso, Universidade Federal da Paraíba

[Lattes]
Graduando em Ciências Agrárias pela Universidade Federal da Paraíba.

Maria Janaina Lira Vital, Universidade Federal da Paraíba

[Lattes]
Mestra em Ciências Agrárias (Agroecologia), Universidade Federal da Paraíba - Bananeiras- PB; Especialista em Ecologia; Universidade Federal do Cariri - Crato- CE; Graduada em Ciências Biológicas, Faculdade de Ciências Humanas do Sertão Central - Salgueiro - PE; Técnica em Agropecuária pelo Instituto Federal de Pernambuco - Salgueiro - PE

Italo de Souza Aquino, Universidade Federal da Paraíba

[Lattes]
Possui Pós-Doutorado em Entomologia - Oklahoma State University (1997), Estados Unidos; Ph.D. em Entomologia - Oklahoma State University (1997), Estados Unidos; Mestrado em Entomologia - Oklahoma State University (1990), Estados Unidos; Graduação em Agronomia (1984) pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), com nota 10.0 (dez) em seu TCC. Atualmente é Professor Titular da Universidade Federal da Paraíba (Portaria PROGEP/CPPD/No. 0002/2015), tendo sido aprovado em Concurso Público (1992) para o cargo de professor do magistério superior na UFPB, com lotação no Departamento de Agropecuária (DAP) [07.08.1992 a 03.08.2014] e Departamento de Ciência Animal (DCA) 

Referências

ALLARDICE, P. B. K.; HUTCHISON F. Segredos e virtudes das plantas medicinais. Rio de Janeiro: Editora Reader’s Digest Brasil Ltda, 1999.

ALVES, A. R.; SOUTO, J. S.; SANTOS, R. V.; CAMPOS, M. C. Decomposição de resíduos vegetais de espécies da Caatinga, na região de Patos, PB. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 1, n. 1, p. 57-63, 2006.

BALDANI, J.I. et al. Recent advances in BNF with non-legume plants. Soil Biology and Biochemistry, Oxford, v. 29, p. 911-922, 1997.

BAUER, D.; SANTOS, E. L.; SCHMITT, J. L. Avaliação da decomposição de serapilheira em dois fragmentos de Caatinga no Sertão Paraibano. Pesquisas Botânica, n. 69, p. 307-318,2016.

BAYER, C.; GOMES, J.; ZANATTA, J. A.; VIEIRA, F. C. B.; DIECKOW, J. Mitigating greenhouse gas emissions from a subtropical Ultisol by using long-term no-tillage in combination with legume cover crops. Soil and Tillage Research, Amsterdam, v. 161, p. 86-94, 2016. DOI: https://dx.doi.org/10.1016/j.still.2016.03.011

CAPUANI, S.; RIGON, G. P. J.; BELTRÃO, M. E. N.; BRITO NETO, F. J. Atividade microbiana em solos, influenciada por resíduos de algodão e torta de mamona. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 16, n. 12, p. 1269–1274, dez. 2012.

CARVALHO, P. E. R. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Brasília: EMBRAPA, 1994.

CHAGNON, P. L. et al. A trait-based framework to understand life history of mycorrhizal fungi. Trends in Plant Science, Oxford, v. 18, p. 484-491, 2013.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica; Rio de Janeiro: EMBRAPA Solos, 2009.

GADELHA NETO, P. C.; BARBOSA, M. R. de V. Levantamento preliminar da família Anacardiaceae na Paraíba. In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 49.,1998, Salvador. Resumos. Salvador: Universidade Federal da Bahia: Instituto de Biologia, 1998. p. 126.

GILLER, P.S. The diversity of soil communities, the ‘poor man’s tropical rainforest’.

Biodiversity and Conservation, London, v. 5, p. 135-168, 1996.

GOMES, D. S.; BARBOSA, A. S.; SANTOS, T. M.; SANTOS, S. K.; SILVA, J. H. C. S.; AQUINO, I. S. Cinética de liberação de CO2 e decomposição da fitomassa em sistemas de uso e manejo do solo. Research, Society and Development, v.10, n.1, p.e9810111413, 2021.

GRISI, B. M. Método químico de medição da respiração edáfica: alguns aspectos técnicos. Ciência e Cultura. v.30, n.1, p.82-88, 1978.

KLEPPER, B.; KASPAR, T. C. Rhizotrons Their Development and Use in Agricultural Research. Agronomy Journal, 86, 745-753 (1994).

GUERRA, M. J .M; BARREIRO, M.L; RODRIGUEZ, Z. M; Rubaicaba Y. Actividad antimicrobiana de um extracto fluido al 80% de Schinus terebinthifolius Raddi (copal).

Rev Cub Plantas Med 5: 23-25, 2000.

MARIN, A. M. P. et al. Gliricídia: árvore alternativa para o semiárido brasileiro. Campina Grande: INSA, 2012, 12p.

MIRANSARI, M. Soil microbes and the availability of soil nutrients. Acta Physiologiae Plantarum, Paris, v. 35, p. 3075-3084, 2013.

MORITA, T. & ASSUMPÇÃO, R. M. V. (2001). Manual de soluções, Reagentes & Solventes: Padronização, Preparação, Purificação. 11.ed., Edgard Blücher.

OLIVEIRA, A. M.; BARRETO-GARCIA, P. A. B.; NOVAES, A. B.; CARVALHO, F. F.; MEIRELES, I. E. S. Decomposição da serapilheira foliar em plantios de bambu, nim indiano e eucalipto. Ciência Florestal, v. 30, n. 3, p. 845-855, jul./set., 2020.

PAULA, P. D.; CAMPELLO, E. F. C.; GUERRA, J. G. M.; SANTOS, G. A.; RESENDE, A. S. Decomposição das podas das leguminosas arbóreas Gliricidia sepium e Acácia angustissima em um Sistema Agroflorestal. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 25, n. 3, p. 791-800, jul./set., 2015.

R CORE TEAM. The R Project for Statistical Computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. Disponível em: https://www.R-project.org/. Acesso em 16 jul.2022.

RAYMOND, J. et al. The natural history of nitrogen fixation. Molecular Biology and Evolution, Chicago, v. 21, p. 541–554, 2004.

SANTOS, T. C. S. Impactos das mudanças de uso da terra e manejo nos estoques de carbono do solo em diferentes biomas brasileiros. 69f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Alagoas. Rio Largo, 2019.

SIQUEIRA, J. O.; MOREIRA, F. M. J.; GRISI, B.M.; HUNGRIA, M. Microrganismos e processos biológicos do solo: perspectiva ambiental. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Centro Nacional de Pesquisa de Arroz e Feijão;

Centro Nacional de Pesquisa de Soja. Brasília: EMBRAPA-SPI, 1994. 142 p. (EMBRAPA-CNPAF. Documento, 45).

SOUSA, I. R. L.; PAULETTO, D.; LOPES, L. S. S.; RODE, R.; PELEJA, V. L.; FREITAS, B. B. Taxa de decomposição foliar de espécies utilizadas em sistemas agroflorestais. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 15, n. 2, p. 118-126, 2020.

THOMAS, R. J.; ASAKAWA, N. M. Decomposition of leaf litter from tropical forage grasses and legumes. Soil Biology and Biochemistry, v.

Downloads

Publicado

2024-02-20

Como Citar

BRASILEIRO, A. R. da S.; BARBOSA, A. da S. .; FRAGOSO, A. M. .; VITAL, M. J. L. .; AQUINO, I. de S. . Cinética da decomposição da matéria orgânica vegetal e liberação do CO2 edáfico em sistemas de cultivo e em áreas de floresta. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 7, n. 14, p. e14944, 2024. DOI: 10.55892/jrg.v7i14.944. Disponível em: http://www.revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/944. Acesso em: 22 jun. 2024.

ARK