Os provérbios como definição filosófica na educação popular: análise das práticas educativas a nível do município do Soyo (província do Zaire, Angola)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55892/jrg.v7i14.962

Palavras-chave:

Provérbios, Educação popular, Práticas educativas

Resumo

Este artigo tem como objetivo compreender como os provérbios podem contribuir no contexto da educação popular por meio da análise de práticas educativas desenvolvidas no município do Soyo, província do Zaire, Angola. O provérbio é o processo de manifestação mais elevado do pensamento filosófico das pessoas, pelo qual a fala e/ou a retórica estão ligadas ao processo de resolução de problemas sociais simples ou complexos através da inteligência ou conhecimento. Esta pesquisa exploratória tomará como estratégias para compreender de que forma este gênero contribui para a educação e manutenção da memória coletiva de uma dada comunidade. Os resultados esperados deste estudo incluem a identificação de tendências e desafios cruciais no sistema educacional popular angolano, particularmente no município do Soyo. Os dados obtidos poderão contribuir para repensar as políticas da educação popular. Também se espera que a pesquisa contribua para a capacitação de jovens no que se refere à prática educativa e para sensibilizar a sociedade sobre a importância de repensar a relação entre os provérbios e a sociedade. Como base na contextualização da pesquisa, foi realizada uma revisão bibliográfica sobre o sistema educacional popular em Angola (Soyo), visando compreender como os provérbios foram implementados ao longo do tempo, como foram sendo modificados e qual contribuição têm dado nas suas perspectivas educativas diversas. A pesquisa está organizada em 3 eixos fundamentais, iniciando com a introdução, que estabelece as bases teóricas do estudo; o desenvolvimento, que subsidia abordagem ao referencial teórico que se consubstancia no sistema educativo angolano e também o percurso da filosofia dos provérbios; e as conclusões, que sintetizam o percurso da pesquisa, considerando os aspectos teóricos e metodológicos relacionados ao desenvolvimento dos provérbios na educação popular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monteiro Guilherme, Federal University of Paraná

[Lattes]
Graduado em Ensino de História no Instituto Superior de Ciências de Educação em Cabinda-Angola, mestre em Ciências de Educação pela Universidade Evangélica de Assunção-Paraguai e doutorando em Educação pela Universidade Federal do Paraná.

Referências

BATSÎKAMA, Patrício. O que é o Kinzonzi? Portal da Damba e da história do kôngo. 2012. Disponível em: http://muanadamba.over-blog.com/article-o-que-e-o-kinzonzi- 108613437.html. Acesso em: 20 ago. 2022.

BORGES, Antonádia. Terra. In. SANSONE, Livio; FURTADO, Cláudio Alves (Org.). Dicionário crítico das Ciências Sociais dos países de fala oficial portuguesa. Salvador: EDUFBA, 2014. p. 431–442.

DUCROT, Oswald; Tzvetan TODOROV. Dicionário das Ciências da Linguagem. 3. ed. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1982.

DURKHEIM, Émile. The elementary forms of religious life. Tradução: Karen Fields. Nova York: The Free Press, 1995.

FILIPE, Fernando Arminda. Ondjango: filosofia social e política africana. Jornal Angolano de Artes e Letras, Cultura, Eco de Angola, Luanda, 5 a 18 de novembro, 2019.

FUNK, Gabriela. A função do provérbio em português e em alemão: análise contrastiva de um corpus de provérbios contextualizados. 1993. 393 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Departamento de Linguística Comparada, Universidade dos Açores, Ponta Delgada, 1993.

GODOY, Emília Pietrafesa de. Territorialidade. In: SANSONE, Livio; FURTADO, Cláudio Alves (Org.). Dicionário crítico das Ciências Sociais dos países de fala oficial portuguesa. EDUFBA: Salvador, 2014.

GRIGOLETTO, Evandra. Do lugar social ao lugar discursivo: o imbricamento de diferentes posições-sujeito. In: GRIGOLETTO, Evandra. Análise do discurso no Brasil: mapeando conceitos, confrontando limites. São Carlos: Claraluz, 2007. p. 1-11.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 2003.

HAMPÂTÉ BÂ, Amadou. A tradição viva. In: KI-ZERBO, Joseph (org.). História geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. 2.ed. Brasília: UNESCO, 2010.

INE. Instituto Nacional de Estatística de Angola. Projecção da população 2014-2050. Luanda, Angola, 2016.

KANDJIMBO, Luís. Máximas de Ptahhotep e a arte de argumentar. Filosofia Pop, 2021. Disponível em: https://www.jornaldeangola.ao/ao/noticias/maximas-de-ptahhotep-e-a-arte-de- argumentar/. Acesso em: 07 set. 2022.

LEANDRO, Jesuína Flores de Jesus. Marketing das cidades: proposta de modelo de felicidade validado para o Soyo. 2020. 222 f. Dissertação (Mestrado em Gestão de Empresas) – Departamento de Ciências Econômicas e Empresariais, Universidade Autónoma de Lisboa, Lisboa, 2020.

LOPES, Ana Cristina Macário. Texto proverbial português: elementos para uma análise semântica e pragmática. 1992. 392 f. Tese (Doutorado em Linguística Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Coimbra, 1992.

LUTETE, Mbotemunzila Sylvain. Le mariage coutumier: kinzonzi kia longo: chez les Kongo. Châtenay-Malabry: Éditions EKI, 2015.

MAINGUENEAU, Dominique. Provérbio, slogan, ironia. In: MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Editora Cortez, 2013. p. 215-225.

MELO, Leonor Jesus Marcos. Os textos tradicionais na aula de português: os provérbios. Coimbra: Almedina, 2002.

MINGAS, Amélia Arlete. Línguas e culturas em Angola. Njinga & Sepé: Revista Internacional de Culturas, Línguas Africanas e Brasileiras São Francisco do Conde, [s.l.], v. 1, n. 2, p. 377-385, jul./dez. 2021.

MIRANDA, Osmilde; DOMINGOS, Anacleto Aníbal. A constituição da esfera pública em África: a especificidade de Angola do pós-independência à República. X Jornada Internacional Políticas Públicas. Manaus: Universidade Federal do Amazonas – UFMA, 16 a 19 de novembro de 2021.

MONDIN, Battista. O homem - quem é ele? Elementos de Antropologia Filosófica. 13. ed. São Paulo: Editora Paulus, 2008.

NGAMBU, Ngoma. Manuel de sociologie et d’anthropologie. Kinshasa: Presses Universitaires Kongo, 1996.

PEREIRA, Maria Elisabete Conde. O papel dos adágios na vida e na língua de uma comunidade linguística. 2000. 120 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Portuguesa) – Departamento de Linguística, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, 2000.

PEREZ, Geraldo. Educação popular segundo Paulo Freire. Bolema, Rio Claro, v. 6, n. 7, p. 1–16, 1991.

SILVA, R. S. da. Boaventura Cardoso um (re)inventor de palavras e tradições. Rio de Janeiro: Arquimedes Edições, 2009.

STENSTRÖM, Oscar. Proverbes des Bakongo. 1999. 279 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Studia Missionalia Upsaliensia et Presses, L’université Protestante de Kimpese, Kimpese, 1999.

VANGA, Kiala Pedro Lufulo. Provérbios bakongo de rituais de óbitos: recolha, estudo e aplicação didáctica. 2019. 97 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Portugueses), Departamento de Educação, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2019.

VANSINA, Jan. A tradição oral e sua metodologia. In: KI-ZERBO, Joseph. História geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. 2. ed. Brasília: UNESCO, 2010. p. 234–256.

Downloads

Publicado

2024-03-07

Como Citar

GUILHERME, M. Os provérbios como definição filosófica na educação popular: análise das práticas educativas a nível do município do Soyo (província do Zaire, Angola) . Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 7, n. 14, p. e14962, 2024. DOI: 10.55892/jrg.v7i14.962. Disponível em: http://www.revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/962. Acesso em: 22 jun. 2024.

ARK