Morbidade e mortalidade por colecistite e colelitíase biliar no Brasil, macrorregiões e estados no período de 2012-2021

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55892/jrg.v7i14.963

Palavras-chave:

Colecistite, Colelitíase, Epidemiologia, Série temporal

Resumo

Objetivos: descrever o perfil epidemiológico de morbidade e mortalidade por colecistite e colelitíase no Brasil e suas regiões, no período de 2012 e 2021; avaliar a tendência temporal da morbidade e mortalidade por colecistite e colelitíase no Brasil e suas regiões no mesmo período. Métodos: Estudo ecológico de série temporal com dados abertos sobre mortalidade e internações hospitalares por colecistite e colelitíase no Brasil. Foram estudados os dados no período de 2012-2021, segundo região do país, estado e causa do óbito/internação. Foram calculadas as taxas de mortalidade e internação, usando a população residente do IBGE nos locais e anos avaliados. A tendência temporal foi calculada pelo modelo JoinPoint, onde a Variação Percentual Anual (VPA) foi considerada de crescimento quando positiva, diminuição quando negativa e estacionária quando não significativa (p>0,05). Resultados: No Brasil, foram registrados 38.370 óbitos por colecistite e colelitíase de 2012-2021. A média da taxa brasileira foi de 1,86 mortes/100 mil e 118,24 internações/100 mil. O Brasil apresentou diminuição de 4,9% ao ano nas internações. O estado do Maranhão foi o único a apresentar crescimento das internações de 3,3% ao ano. Na mortalidade, sete estados apresentaram crescimento anual com destaque para Roraima com aumento de 18,7% ao ano. Na região Norte, Nordeste e Sul foi identificado aumento taxa de mortalidade de 1,9%, 2,1% e 1,3% por ano, respectivamente. Conclusão: No Brasil, foram identificadas altas taxas de morbidade hospitalar e mortalidade por colecistite e colelitíase. No tocante a tendência temporal, houve redução anual nas internações hospitalares em alguns estados e em todas as macrorregiões brasileiras e a mortalidade apresentou crescimento, especialmente nas regiões Norte e Nordeste.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Maria Prado Gomes, Universidade Tiradentes

[Lattes]
Graduanda em Medicina pela Universidade Tiradentes

Jefferson Felipe Calazans Batista, Universidade Tiradentes

[Lattes]
Doutorando e Mestre em Saúde e Ambiente pela Universidade Tiradentes

Sonia Oliveira Lima, Universidade Tiradentes

[Lattes]
Doutora e Mestra em Clínica Cirúrgica pela Universidade de São Paulo

Referências

BRASIL; CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Resolução No 510, de 07 de abril de 2016. 2016. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf.

CARBONELL, A. M. et al. Do patient or hospital demographics predict cholecystectomy outcomes? A nationwide study of 93,578 patients. Surgical Endoscopy And Other Interventional Techniques, [s. l.], v. 19, n. 6, p. 767–773, 2005.

DUA, Anahita et al. Gender based differences in management and outcomes of cholecystitis. The American Journal of Surgery, [s. l.], v. 206, n. 5, p. 641–646, 2013a.

DUA, Anahita et al. Gender based differences in management and outcomes of cholecystitis. The American Journal of Surgery, [s. l.], v. 206, n. 5, p. 641–646, 2013b.

GALLAHER, Jared R.; CHARLES, Anthony. Acute Cholecystitis: A Review. JAMA, [s. l.], v. 327, n. 10, p. 965–975, 2022.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação. [S. l.], 2021. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/index.html. Acesso em: 18 out. 2021.

IRIGONHÊ, Alan Tibério Dalpiaz et al. Análise do perfil clínico epidemiológico dos pacientes submetidos a Colecistectomia Videolaparoscópica em um hospital de ensino de Curitiba. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, [s. l.], v. 47, p. e20202388, 2020.

JUNIOR SCHINDLER, Emerson et al. Abordagem diagnóstica e tratamento da colecistite aguda: uma revisão narrativa | Revista Eletrônica Acervo Saúde. Revista Eletrônica Acervo Saúde, [s. l.], v. 13, n. 9, 2021. Disponível em: https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/8772. Acesso em: 18 jan. 2024.

KIM, H. J. et al. Permutation tests for joinpoint regression with applications to cancer rates. Statistics in Medicine, [s. l.], v. 19, n. 3, p. 335–351, 2000.

LI, H. Z.; DU, L. B. [Application of Joinpoint regression model in cancer epidemiological time trend analysis]. Zhonghua Yu Fang Yi Xue Za Zhi [Chinese Journal of Preventive Medicine], [s. l.], v. 54, n. 8, p. 908–912, 2020.

MAYA, Maria Cristina et al. Colecistite aguda: diagnóstico e tratamento. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto (TÍTULO NÃO-CORRENTE), [s. l.], v. 8, n. 1, 2009. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/revistahupe/article/view/9233. Acesso em: 18 jan. 2024.

NUNES, Emeline Caldana; ROSA, Roger dos Santos; BORDIN, Ronaldo. HOSPITALIZATIONS FOR CHOLECYSTITIS AND CHOLELITHIASIS IN THE STATE OF RIO GRANDE DO SUL, BRAZIL. ABCD. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva (São Paulo), [s. l.], v. 29, p. 77–80, 2016.

ÖNDER, Akın et al. Gangrenous Cholecystitis: Mortality and Risk Factors. International Surgery, [s. l.], v. 100, n. 2, p. 254–260, 2015.

PEREIRA, Débora Linsbinski et al. Perfil epidemiológico de morbidade por colelitíase e colecistite em Mato Grosso. Revista Ciência e Estudos Acadêmicos de Medicina, [s. l.], n. 12, 2020. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/revistamedicina/article/view/4271. Acesso em: 18 jan. 2024.

SANDBLOM, Gabriel et al. Mortality after a cholecystectomy: a population-based study. HPB, [s. l.], v. 17, n. 3, p. 239–243, 2015.

SANTANA, Júlia Medeiros et al. Colecistopatias e o tratamento das suas complicações: uma revisão sistemática de literatura / Colecistopathies and the treatment of their complications: a systematic review of literature. Brazilian Journal of Health Review, [s. l.], v. 4, n. 1, p. 3597–3606, 2021.

SCHIRMER, Bruce D.; WINTERS, Kathryne L.; EDLICH, Richard. Cholelithiasis and Cholecystitis. Journal of Long-Term Effects of Medical Implants, [s. l.], v. 15, n. 3, 2005. Disponível em: https://www.dl.begellhouse.com/journals/1bef42082d7a0fdf,69622d0e4ea6cf4b,07f88f8255346b09.html. Acesso em: 18 jan. 2024.

SHAFFER, Eldon A. Epidemiology of gallbladder stone disease. Best Practice & Research Clinical Gastroenterology, [s. l.], v. 20, n. 6, Gallstone Disease, p. 981–996, 2006.

STINTON, Laura M.; SHAFFER, Eldon A. Epidemiology of Gallbladder Disease: Cholelithiasis and Cancer. Gut and Liver, [s. l.], v. 6, n. 2, p. 172–187, 2012.

SURVEILLANCE RESEARCH PROGRAM. JoinPoint Regression Program. versão 4.9.0.1. National Cancer Institute: [s. n.], 2022. Statistical Methodology and Applications Branch.

WADHWA, Vaibhav et al. Nationwide trends of hospital admissions for acute cholecystitis in the United States. Gastroenterology Report, [s. l.], v. 5, n. 1, p. 36–42, 2017.

Downloads

Publicado

2024-03-15

Como Citar

GOMES, L. M. P. .; BATISTA, J. F. C.; LIMA, S. O. Morbidade e mortalidade por colecistite e colelitíase biliar no Brasil, macrorregiões e estados no período de 2012-2021. Revista JRG de Estudos Acadêmicos , Brasil, São Paulo, v. 7, n. 14, p. e14963, 2024. DOI: 10.55892/jrg.v7i14.963. Disponível em: http://www.revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/963. Acesso em: 22 jun. 2024.

ARK